Quinta-Feira, 17 de Outubro de 2019    Responsável: Jota Oliveira    Fone: 67 9988-5920

Junta Comercial se ajusta à medida que facilita registro de empresas


Com o texto, empresário obtém número do CNPJ antes da análise formal dos atos constitutivos da empresa
Prédio da Jucems em Campo Grande, que se ajustou à MP editada pelo governo federal em março de 2019 (FOTO: Paulo Francis/Arquivo)

A Jucems (Junta Comercial do Estado de Mato Grosso do Sul) publicou deliberação que autoriza e disciplina a adoção do registro automático de empresas, criado pela MP (Medida Provisória) nº 876/2019. A iniciativa, segundo o governo federal, facilita ao empresário a obtenção do número do CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica).

Editada em 13 de março de 2019, a medida prevê o registro automático de firmas constituídas como Empresário Individual, Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (Eireli) e Sociedade Limitada (Ltda). Com o texto, o empresário deixa a junta comercial com o número do seu CNPJ antes da análise formal dos atos constitutivos da empresa, que passa a ser feita em até dois dias úteis contados da aprovação do registro.

Em caso de problemas durante o exame da documentação, a junta comercial poderá manter o cadastro e exigir a apresentação das pendências ou comunicar as instituições envolvidas no processo de abertura de empresas para que procedam o cancelamento do CNPJ e da inscrição estadual, por exemplo.

A MP altera a Lei 8.934/94, que trata do registro público de empresas mercantis. Segundo o Ministério da Economia, o objetivo da norma é diminuir o tempo de abertura de pequenos empreendimentos com a aprovação imediata do registro após a etapa inicial de análise da viabilidade (aprovação prévia do nome empresarial e do endereço). O governo alega que as empresas beneficiadas representam 96% do total que procura registro nas juntas comerciais.

A medida ainda permite que advogados e contadores declarem a autenticidade de documentos. Antes, era necessária autenticação em cartório ou comparecimento do empresário na junta comercial para apresentação de documentos.

O governo federal defende que a mudança desburocratiza o processo de registro, reduz custos para o empresário e diminui a possibilidade de fraudes, já que facilita a penalização dos responsáveis.

A deliberação da Jucems foi publicada na edição de hoje do Diário Oficial do Estado, mas só entra em vigor no dia 3 de julho de 2019. (Com informações Campo Grande News).


Fonte: Campo Grande News